quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Por um casamento

Caros amigos,
Apesar de eu escrever uns "bitaites", aqui no blog, eu não passo de um elemento da família dos felídeos e espécie Felis ocreata, em suma uma gata, que não é nem lavadeira, nem calhandreira, talvez um pouco cusca, mas gosta de dizer umas coisas. Tenho uma vida negra, mas seis não são, pelo que vou andando mais ou menos bem fazendo companhia a outra gata que não da mesma espécie, é humana do género feminino, que me adoptou e com quem gosto de ronronar.
Bom, a minha vinda aqui, tem a ver com um casamento para o qual não fui convidada mas em que estive presente, numa das minhas outras seis vidas, e que ninguém notou.
Então vi a minha madrinha, muito bonita, no seu vestido branco, toda emocionada, com a cauda a arrastar no chão (a minha não arrasta)a andar agarrada ao meu tio, (talvez para não cair)em direcção ao outro tio, com quem eu gosto de dormir.Estava muita gente, numa casa grande com flores, santos e santinhos Eles namoraram um pouco e um senhor com uma coisa pelas costas disse umas palavras e depois eles sairam, atiraram-lhe arroz e flores e depois foram para o restaurante. Lá tiraram muitos retratos e fizeram muitas brincadeiras (até havia um palhaço) e depois foram comer. Comeram muito, pelo memos estiveram muito tempo na mesa, e foram para outro sítio comer. Comeram bacalhau, carne, bolo, muita fruta e beberam vinho e champanhe. Depois comeram bolo outra vez e deitaram uns foguetes que me assustaram. Depois a madrinha foi embora e não se despediu de mim. Mas não foi com os tios para casa, que eu não a vi. Agora tenho que dormir com a tia, porque a madrinha não aparece. Está ali o carro dela, mas ela não. Até a velha peluda anda às voltas à sua procura. Espero que ela apareça, sem demora, pois estamos muito tristes.
Um xi
Deizinha

Calhaus Rolados

Calhaus rolados, são pedaços de rocha que por acção da erosão, água ou gelo, se tornam arredondados.
O meus calhaus são recolhidos numa praia a Sul de Viana do Castelo, Praia da Amorosa, em virtude da variedade das suas cores e tamanhos.
Após a recolha são lavados cuidadosamente, seprados por calibres e armazenados.
À medida das necessidades vão sendo colados, com uma cola forte, para que formem as construções para que são utilizados.
Comecei isto como uma ocupação de tempos livres e hoje já me ocupa outros tempos que não só os livres, em virtude da procura que tem ocorrido, por parte dos meus amigos e depois da grande divulgação que fizeram.
Agora vendo-os e vou desenhando outros modelos.
Cumprimentos
Manuel Costa

Nota: Se pretenderem adquir algum podem solicitá-lo pelo e-mail: mcosta99@gmail.com ou telm 968049860

Quem sou?

A minha foto
ESPARGO -Santa Maria da Feira, Aveiro, Portugal
Sou coleccionador de presépios e crucifixos. Gosto de manusear as pedras e dar-lhes formas. Tenho conseguido algumas figuras muito bonitas.

Sou eu

Sou eu

Eu no jornal Terras da Feira

Eu no jornal Terras da Feira
Artesanato