domingo, 4 de outubro de 2009

A Gata Daizy

Tenho estado para aqui a mandar uns bitaites, mas não conhecem a minha pessoa. Sou uma gata preta filha de uma emigrante da América do Sul com pai incógnito, e descendente de escravos importados de Africa. Mantenho a minha cor original, o que significa que a minha estirpe se manteve sempre dentro dos africanos. Não vou ter descendência, porque a minha patroa me mandar "capar" (capar o gato) e então vou manter-me assim até ao fim dos meus dias. Gosto muito de gumezinho e os meus horizontes são curtos; passeio dentro de casa e olho até ao portão (às vezes vou ao jardim), mas prefiro ficar deitada a ver o sol passar. Entendo um pouco de linguas (linguas de gato, estufadas e linguas de bacalhau) e entendo um pouco do que me dizem, a minha tia e os meus tios, mesmo o mouro.
Bom, vamos ao que interessa: há dias vi na televisão um concurso (não percebi o que disseram, porque não falaram em nenhumas das línguas que entendo) em que ganhava quem fosse mais sério a rir. Vi que concorreram o Zézito, a Manelita, o Paulito, o Xiquito, o Jeronito e outros mais, mas como só contava os 5 primeiros, não liguei para estes. Quem ganhou foi o Zézito, mas mesmo assim ficou com cara chateada, porque tem que dividir o prémio com outro e não sabe com qual. A Manelita, ficou chateada que nem um peru, pois ela pensava que ganhava, mas como a cara dela era muito séria não conseguiu sorrir, além disso em concursos anteriores ganhou, mas os outros não sorriram. Quem sorriu mas não ficou sério foi o Paulito, que teve qualquer coisa com os submarinos ao fundo. Não se sabe o que aconteceu, mas aconteceu. O Xiquito que pensava que ficava à frente do Paulito ficou mais sério que um pau. Este nunca sorriu, merecia perder. O Jeronito que costumava ficar à frente do Paulito e do Xiquito também sorriu amarelo.
O prémio que o Zézito tem que dividir com um dos outros, ou dois, é um doação obrigatória que milhões têm que doar obrigatóriamente, e que é a doer. Depois uns senhores muitos sorridentes reunem para dormir (a maioria) numas cadeiras grandes, mas que não têm uma manta como a minha. Depois dois ou três falam e os outros acordam e levantam a mão.
Isto é um concurso muito giro, que eu gosto de ver, porque não entendo nada, (como as pessoas) mas ficam muito bem na televisão. Eu gosto muito do Zézito e quando for gente quero ser como ele. Como a Manelita não gostava de ser, pois parece um peixe seco e para mim só pasta gumezinho ou viscas.
Até

Calhaus Rolados

Calhaus rolados, são pedaços de rocha que por acção da erosão, água ou gelo, se tornam arredondados.
O meus calhaus são recolhidos numa praia a Sul de Viana do Castelo, Praia da Amorosa, em virtude da variedade das suas cores e tamanhos.
Após a recolha são lavados cuidadosamente, seprados por calibres e armazenados.
À medida das necessidades vão sendo colados, com uma cola forte, para que formem as construções para que são utilizados.
Comecei isto como uma ocupação de tempos livres e hoje já me ocupa outros tempos que não só os livres, em virtude da procura que tem ocorrido, por parte dos meus amigos e depois da grande divulgação que fizeram.
Agora vendo-os e vou desenhando outros modelos.
Cumprimentos
Manuel Costa

Nota: Se pretenderem adquir algum podem solicitá-lo pelo e-mail: mcosta99@gmail.com ou telm 968049860

Quem sou?

A minha foto
ESPARGO -Santa Maria da Feira, Aveiro, Portugal
Sou coleccionador de presépios e crucifixos. Gosto de manusear as pedras e dar-lhes formas. Tenho conseguido algumas figuras muito bonitas.

Sou eu

Sou eu

Eu no jornal Terras da Feira

Eu no jornal Terras da Feira
Artesanato