sexta-feira, 17 de julho de 2009

Deise ou Daizy?

Tenho vindo a colocar msgs com a ajuda da minha gata, que me tem dado algumas dicas e até lições de escrita. Depois do êxito que foi a minha escola de música, vou apregoar um novo dicionário de português (brasilês, portunhol, ou portenglish) e mais uma vez me vou socorrer da minha gata Deise (ou Daizy), que comodamente ronrona palavras e sílabas constantemente no meu colo. É só pegar-lhes e colocá-las aqui.
Vamos começar pelas portuguesíssimas asneiras, que dizem os entendidos, ditas com boa oportunidade, aliviam a dor. (O Dr. Alberto João, deve sofrer muito já que está sempre a dize-las). Oram reparem só, como seria aliviador dizer os três car..., quando a gente leva um chuto nos tomat.., ou vai-te f..., quando o parceiro nos encosta o seu calcanhar à nossa ponta do sapato e acerta mesmo em cima daquele calo, que ainda ontem nos fo... a noite toda. Ou como seria bom dizer VPPQTP, quando estamos a jogar a bola e o nosso adversário nos dá um biqueiro na canela...
Portanto é urgente, eu diria mesmo, muito urgente classificar as asneiras de acordo com o grau de dor, graduando-as conforme o seu valor, de cima para baixo, pensando que a dor máxima deverá ser o pontapé nos ditos e a minina, ouvir os deputados a discursar na assembleia. Assim teríamos que o caral.. e fod.-se estariam no topo, aplicando aos deputados apenas a merda, o que seria de facto um sinónimo de democracia e entusiasmo por quem nos representa, nos governa e se governa, com todo o esforço que uma vida dedicada ao povo e pelo povo lhes dá uma reforma avantajada e que permitem não sofrer as agruras da vida e não terem que dizer que se estão a cagar. (Vi há dias numa enclicopédia uma definição para político, que agradou, rezava assim: Político é um animal mamífero que se alimenta de leite mamando não enquanto pequeno e na teta do povo em adulto).
Por outro lado, temos o ditador da Madeira, que quer acabar com o comunismo, esquecendo-se de que o pau pode ganhar bicho e qualquer dia vai ao fundo, devido à quantidade de buracos que já estão lá feitos. Se aquilo fosse uma banheira tirava-se-lhe o tampão e ia mais depressa, assim temos que esperar que apodreça e que se afunde por si.
Vou acabar, porque o assunto era o dicionário e o esclarecimento cabal do nome da minha gata, se "deise" ou "daizy", porque ela anda aflita sem saber como assinar. Se o nome for português escreve-se da primeira forma, se for inglês da segunda, mas se for brasilês, portunhol, ou portenglish, a desgraçada não sabe como escrever.
Lanço pois aqui um apelo, ajudem a minha gata, que ela não se importa que seja mesmo alguèm a mando do ti Alberto João, pois assim o nome ficará muito mais bonito, porque não terá que se haver com comunismo e comunistas, que são uma camada de chatos e comem gatinas ao pequeno almoço, já que as criancinhas começaram a rarear. Mas ajudem-na, que ela bem merece e está aqui a rebolar-se toda.
Até já. (o seu e-mail é gatadaizy@gmail.com)

Calhaus Rolados

Calhaus rolados, são pedaços de rocha que por acção da erosão, água ou gelo, se tornam arredondados.
O meus calhaus são recolhidos numa praia a Sul de Viana do Castelo, Praia da Amorosa, em virtude da variedade das suas cores e tamanhos.
Após a recolha são lavados cuidadosamente, seprados por calibres e armazenados.
À medida das necessidades vão sendo colados, com uma cola forte, para que formem as construções para que são utilizados.
Comecei isto como uma ocupação de tempos livres e hoje já me ocupa outros tempos que não só os livres, em virtude da procura que tem ocorrido, por parte dos meus amigos e depois da grande divulgação que fizeram.
Agora vendo-os e vou desenhando outros modelos.
Cumprimentos
Manuel Costa

Nota: Se pretenderem adquir algum podem solicitá-lo pelo e-mail: mcosta99@gmail.com ou telm 968049860

Quem sou?

A minha foto
ESPARGO -Santa Maria da Feira, Aveiro, Portugal
Sou coleccionador de presépios e crucifixos. Gosto de manusear as pedras e dar-lhes formas. Tenho conseguido algumas figuras muito bonitas.

Sou eu

Sou eu

Eu no jornal Terras da Feira

Eu no jornal Terras da Feira
Artesanato