segunda-feira, 26 de maio de 2008

O imposto é imposto

Estamos a chegar ao ponto que só de burro se poderá andar na rua. Tudo o resto se torna impraticável, já que a gasolina se aproxima do infinito e as estradas do seu fim. A gasolina atinge valores impensáveis, porque as empresas têm de ganhar milhares de milhões. Se o Estado fixasse um limite de lucro a partir do qual o IRC se tornasse o dobro, as empresas deixariam de continuar a apostar nos lucros.
Já as estradas, estão uma miséria. São buracos, lagos e até rios, que se desenvolvem nas nossas estradas, que as há impraticaveis. Depois as empresas, para ganharem rios de dinheiro, vêm, abrem um buraco, assentam os seus dispositivos, fecham mal e vão-se embora. Ninguèm os chateia. Se por acaso, as Câmaras Municipais, só deixassem abrir buracos uma vez por década, as empresas preocupavam-se em aproveitar os buracos de umas para resolver os seus problemas.
Os lucros seriam maiores, concerteza...
Mas é assim! Ninguém liga e o contribuinte é pagante. Paga os impostos, a gasolina e seus impostos, os prejuizos do seu carro e os impostos do concerto, os medicamentos para tratar as doenças provocadas pelos pagamentos e os respectivos impostos.
Se analizarmos bem metade do que o contribuinte paga é em impostos, porque em tudo que ele paga tem impostos, do que come um quarto é impostos, porque paga 21% de IVa que é um imposto. do que veste um quarto é imposto, paga imposto para andar a pé na rua, porque o que calça paga imposto, paga imposto para ir à casa de banho, porque a água, o sabão e o papel higiénico paga imposto, quando puxa o autoclismo paga imposto, porque paga imposto do saneamento, e quando põe o papel higiénico no caixote do lixo, porque paga imposto para o lixo.
Enfim é só imposto, até mesmo para estar a ver a chuva cair, porque tem de ter a luz acesa e esta paga imposto.
Portanto não vale a pena lamentar-se pague o imposto que lhe é imposto, por quem ter poder para lhe impôr o imposto. Se não pagar o imposto que lhe é imposto, por quem tem poder para impôr o imposto vai-lhe ser imposto que pague o imposto, com juros, que é mais um imposto.
Temos ou não temos de pagar imposto? Temos de certeza porque assim nos é imposto.

Calhaus Rolados

Calhaus rolados, são pedaços de rocha que por acção da erosão, água ou gelo, se tornam arredondados.
O meus calhaus são recolhidos numa praia a Sul de Viana do Castelo, Praia da Amorosa, em virtude da variedade das suas cores e tamanhos.
Após a recolha são lavados cuidadosamente, seprados por calibres e armazenados.
À medida das necessidades vão sendo colados, com uma cola forte, para que formem as construções para que são utilizados.
Comecei isto como uma ocupação de tempos livres e hoje já me ocupa outros tempos que não só os livres, em virtude da procura que tem ocorrido, por parte dos meus amigos e depois da grande divulgação que fizeram.
Agora vendo-os e vou desenhando outros modelos.
Cumprimentos
Manuel Costa

Nota: Se pretenderem adquir algum podem solicitá-lo pelo e-mail: mcosta99@gmail.com ou telm 968049860

Quem sou?

A minha foto
ESPARGO -Santa Maria da Feira, Aveiro, Portugal
Sou coleccionador de presépios e crucifixos. Gosto de manusear as pedras e dar-lhes formas. Tenho conseguido algumas figuras muito bonitas.

Sou eu

Sou eu

Eu no jornal Terras da Feira

Eu no jornal Terras da Feira
Artesanato